A entrevista perdida com Kurt Cobain – por Jon Savage (1993) [tradução]

Tradução livre | Eder Capobianco Antimidia Publicada originalmente pela revista britânica Guitar World. Em julho de 1993 Kurt Cobain concedeu uma entrevista sincera e dramática para o respeitado jornalista britânico de rock Jon… Continuar lendo

O matadouro [conto]

Minha perna estava quebrada. Tinha certeza que estava quebrada. Doía desgraçadamente como dói uma perna quebrada. Mas não arredei o pé. Dei dois tiros, tomei um comprimido de anfetamina com vodka e voltei… Continuar lendo

Sentados aqui somos todos iguais [foto]

Os homens do esgoto [conto]

A tampa do bueiro na frente da portaria do Edifício Vida Mansa se abriu e quatro homens vestidos com macacões emergiram, carregando uma mochila grande cada, e saíram andando, em fila, na direção… Continuar lendo

Rato condicionado perdido no labirinto de Skinner [conto]

Acordei de novo. Não lembro do que aconteceu ontem a noite. Não faz muita diferença. Não gosto de lembrar muito das coisas. Lembranças podem arruinar uma vida inteira em busca de porquês. Também… Continuar lendo

O fim do mês e a conta na mercearia [conto]

A vida para Eliana parecia ser bastante simples. Ela acordava às 5h, chegava no centro de telemarketing unificado às 8h, saía às 11h para o almoço, que terminava meio dia. Às 17h estava… Continuar lendo

Tradutor traduzido (entrevista com o teórico cultural Homi Bhabha) – por W.J.T. Mitchell (1995) [tradução]

Tradução livre | Eder Capobianco Antimidia Publicada originalmente na revista Artforum de março de 1995. Em algum momento na primavera de 1984 um extraordinário ensaio chegou ao escritório da Critical Inquiry em Chicago:… Continuar lendo

Memórias de um empurrador de árvore [conto]

Nunca entendi porque a Cláudia não gostava de comer queijo ralado barato. O macarrão podia ser uma massa qualquer de ovos, o molho de saquinho com catchup, a salsicha podia ser qualquer uma,… Continuar lendo

The good times [conto]

A imagem que surge na tela como um estalo mostra um relógio de dar corda marcando sete horas da manhã e despertando estridentemente. No fundo a parede vermelha está descascando. Uma mão bate… Continuar lendo