A esquina e o fim [conto]

Imagem | Antimidia

Imagem | Antimidia

[blitz]

– Boa noite. Documentos do Senhor e do veículo, por favor.

– Sim Senhor, aqui estão.

– Da onde o Senhor está vindo e para onde vai?

– Estou voltando do trabalho para casa.

– O Senhor pode descer do veículo, por favor.

– Claro, algum problema policial?

– Estamos verificando. São só procedimentos de rotina. O Senhor está de posse de algo ilegal?

– Não Senhor.

– Então, por favor, retire tudo dos bolso e coloque em cima do capô.

– O que está acontecendo aqui? Sou suspeito do que?

– Não sabemos ainda Senhor, estamos averiguando, são só procedimentos de rotina. Coloque as mãos na cabeça e abra as pernas por favor?

– Porque estou sendo revistado? Eu tenho direito de saber porque estou sendo revistado.

– Atitude suspeita, Senhor.

– E qual foi a minha atitude suspeita? Eu estava no limite da via, usava cinto de segurança, estava com as duas mãos ao volante, o que eu estava fazendo de suspeito?

– Sua atitude era suspeita, Senhor. O que há no porta-malas do veículo?

– Não sei, umas caixas, panos, estepe, coisas assim.

– O Senhor não sabe o que carrega no porta-malas, Senhor? O Senhor pode abrir para mim, por favor?

– Posso, o que o Senhor está procurando?

– Ainda não sei, Senhor. O que há naquela maleta.

– Somente alguns papéis.

– O Senhor pode, por favor, abrir para mim ver?

– Claro. Está vendo, papéis.

– Sobre o que são esses papéis?

– Planilhas, contas. Sou comerciante, são algumas coisas da empresa.

– Examine estes documentos Segundo Sargento. Agora nós podemos ver o interior do veículo?

– Como assim examine estes documentos? O Senhor não pode mexer nas minhas coisas assim.

– Estou analisando os documentos que o Senhor me mostrou e que foram encontrados numa pasta no porta-malas do seu veículo. Aconselho que o Senhor se acalme e me mostre o interior do veículo.

– Como assim se acalmar? O que está acontecendo aqui?

– Se o Senhor tem algo à esconder aconselho que me conte agora, pois nós vamos achar.

– Do que o Senhor está falando? Quer saber, a atitude do Senhor é que é suspeita. Que procedimentos de rotina são esses? Mas eu não tenho nada para esconder. O que o Senhor quer ver?

– Abra o veículo, por favor?

– Estes CDs no porta trecos são do Senhor?

– É isso, sou culpado por comprar produtos piratas? Pode me prender.

– Acalme-se Senhor.

– As MP3 do pen drive também são piratas. Eu me entrego.

– Irei confiscar esses itens. O Senhor pode abrir o porta-luvas, por favor.

(click)

– O que são esses papéis?

– A nota fiscal do carro, umas contas, não sei.

– Posso ver essa nota fiscal?

– Por que? Eu posso perguntar por que?

– A sua atitude suspeita, e irônica, diz, segundo o manual, que o Senhor está tentando ocultar algum crime. Já sabemos que o Senhor não respeita as leis de direitos autorais, agora estamos procurando quais outras lei o Senhor não respeita.

– Eu não tive nenhuma atitude suspeita não. Isso é abuso de autoridade. O Senhor já me revistou, revistou meu carro, e não achou nenhuma evidência de nada suspeito. O Senhor está procurando pelo em ovo, isso que o Senhor está fazendo. Eu tenho meus direitos, e não tenho que te entregar a nota fiscal do meu carro.

– Por favor Senhor, me respeite. Estou fazendo meu trabalho, que é combater o crime. Sua atitude é sim suspeita, e eu posso prendê-lo por desacato.

– Olha, eu sou um cidadão de bem. Eu respeito a polícia, acho que o trabalho da polícia é desvalorizado. Mas eu não sou bandido.

– Então me mostre isso, Senhor. Me entregue esta nota fiscal e me deixe fazer meu trabalho que a verdade aparecerá.

– Tudo bem, desculpe. Estou um pouco nervoso, é a primeira vez que passo por isso.

– A loja do Senhor deve estar indo muito bem, este carro é bem caro. Com o que o Senhor trabalha?

– Acabou, me desculpe. O Senhor é da Receita Federal? Eu não fiz nada de errado, nem tive nenhuma atitude suspeita. Ou o Senhor me leva preso e me deixa chamar meu advogado, ou me deixa ir embora.

[delegacia]

– Eu só falo quando o meu advogado chegar.

– O Senhor que sabe, mas pode estar acabando com as suas chances de um acordo.

– Um acordo sobre o que? Sou acusado do que? O Senhor não tem nada!

– Bom, já sabemos que o Senhor não respeita as leis de direito autoral. Podemos provar isso. Também sabemos pelos papéis da sua pasta, e a nota fiscal do seu veículo, que a sua renda é incompatível com seu estilo de vida.

– Não falo mais nada enquanto o meu advogado não chegar.

– Viu, isso é uma atitude de quem quer esconder alguma coisa. Nós já sabemos que o Senhor comete algum crime. A sua renda é incompatível. Não preciso de uma evidência, isso é uma prova.

– Prova do que?

– De que o Senhor cometeu algum crime para comprar um carro que uma pessoa na sua posição não poderia comprar.

– Isso é uma suposição, até o Senhor provar o contrário eu sou inocente. Eu comprei o carro com um dinheiro que eu tinha guardado há muito tempo. Trabalho desde os 12 anos e agora não posso ter um carro?

– Quanto tempo?

– Desde os 12 anos.

– Não tem nada haver com sonegação de impostos? Venda sem nota fiscal? Compra de produtos sem origem declarada? Essas coisas.

– Eu não sei do que o Senhor está falando. Se o Senhor não sabe do que me acusar, como eu vou me defender?

– O Senhor tem filhos?

– Tenho, três.

– Eles estudam em escolas particulares?

– Eu sei o que o Senhor está querendo dizer. Já disse que não respondo nada até meu advogado chegar.

– O Senhor já disse isso três vezes, eu só estou querendo ajudar o Senhor a dizer a verdade.

[conversa com o advogado]

– Como assim eles podem me manter preso por até três meses?

– Além de você ter violado as leis de direito autoral, existe um indício de que você cometeu algum crime para ter dinheiro e comprar o carro, por enquanto é só isso. Sei que eles solicitaram junto à Receita Federal sua declaração de imposto de renda, da sua empresa e da sua esposa. Se há algo de errado eu preciso saber agora.

– Como assim? Eles não podem fazer isso. Era só uma blitz, o documento está em dia, minha carta também. Eu só quero ir para casa.

Anúncios