Soluções Simples [conto]

Raramente um jovem de menos de vinte anos tem bom senso. Devo ter visto um ou dois com este dom nos últimos anos. Quem paga o pato? Casais com filhos recém nascidos que moram em apartamentos. Incluo-me nesta lista.

Não sei o que meus vizinhos fazem, mais sei que o filho deles fuma maconha e é fã do Ozzy Osbourne. O cara escuta aquela barulheira o dia inteiro. E o pior, quase todo prédio tem que escutar com ele. A única hora que sinto falta daquela agressão sonora é quando ele resolve tocar guitarra. É incrível a sintonia que ele tem com a Mariana, minha filha de seis meses. Ele começa a tocar e ela começa a chorar. Ambos desafinados e irritantemente agudos. Não descobri se ela chora por que não gosta do que ele toca ou se é por que ela gosta de Ozzy. Preferiria o silêncio a qualquer um dos três.

Converso com ele quase que diariamente. Tentei falar com o pai e a mãe dele, mas nenhum dos dois pareceu se comover com a minha história. Chego em casa para almoçar meio dia, tenho duas horas de almoço. Suponho que ele volte da escola a uma, é a hora que o som começa, e a fumaça sobe. Tudo bem na hora do almoço, tenho um alto grau de tolerancia. Afinal, é uma da tarde, ele é jovem, tem que se divertir. Além do que, as reclamações da Mariana esta hora são problemas da babá.

No final da tarde, quando volto para casa, a coisa começa a apertar para o meu lado. O som está alto, parece que tem alguém fumando um baseado na minha sala, e a Mariana começa a ficar inquieta. Então ligo para o porteiro e peço que ele comunique o apartamento ao lado que o som está incomodando o vizinho. Mas reclamação nunca surte o efeito esperado. Ai umas oito horas começo a pensar em por a Alana para dormir. Antes bato no apartamento do vizinho. Tin Don. Ele sempre abre a porta com aquele jeito de mongo, chapado, com a boca meio aberta, o olhar de espanto e diz: “desculpa cara, já sei o que você quer, vou abaixar o som”.

Volto para casa. O barulho da uma parada. Acho que ele aproveita este tempo para assistir televisão. Em cerca de uma hora, menos de dez minutos depois da Mariana ter finalmente pegado no sono, o estrondo estremece as paredes e antes do término da primeira música, minha filha começa a reclamar.Já faz seis meses que a trilha sonora da minha vida é Ozzy Osbourne ou choro intermitente.

Resolvi me vingar. Comprei um CD do Bruno e Marrone. Toda vez que não escuto o som dele, ponho o CD e ligo no último volume. Viro as caixas para o apartamento dele e saio para dar uma volta com a Alana, para poupar nossos ouvidos. Depois de uma semana o encontrei na frente da minha porta quando voltei. Ele queria que eu abaixasse o som. Comecei a rir, e entrei em casa. Religuei o som, coloquei no repeat. Esperei minha mulher chegar, e fomos todos dormir em um hotel.
Anúncios